Corpo Perfeito

U219995

Foto:Bekia

Não é novidade pra ninguém que Cara Delevingne é o nome do momento no mundo da moda. É dela o rosto que está estampado em todas as revistas do gênero do mundo e a sobrancelha marcante que nos chama atenção em inúmeras propagandas de grifes renomadas. No entanto, essa badalação toda que Cara vive nesse momento era desconhecida por um dos maiores nomes da moda mundial. Sim, Cara Delevingne foi rejeitada por Marc Jacobs para o desfile da coleção de inverno 2013 da marca que leva seu nome. Por quê?

Pelo simples fato dele considerar a modelo “anã” com seus 1,75m.

A britânica parece não ter se incomodado muito com a declaração do estilista que logo mudou de opinião e, nas duas coleções seguintes, a selecionou para fazer parte de seu casting de modelos. Depois da primeira impressão não muito boa de Jacobs com relação a Cara, hoje ele afirma sem meias palavras: “Ela é uma figura ímpar, tem uma energia muito boa. Não tem como não amar uma garota como essa.”.

Esse é apenas um dos exemplos de que o mundo da moda não impõe apenas que o corpo perfeito é aquele magérrimo beirando ao esquelético, mas que só entra no ramo aquelas mulheres com altura, peso e biotipo “certos” para as passarelas. Cara é muito magra e mesmo assim foi rejeitada em seleções para desfiles, o que torna essa profissão de modelo cada vez mais exigente (não no bom sentido) e cada vez mais seletivo, fazendo com que as pessoas que sonham em seguir essa carreira terem que fazer sacrifícios para alcançar seus objetivos.

Essa atitude desumana, que de certa forma determina esses padrões na sociedade, por parte dos estilistas, da mídia e das modelos, que de alguma maneira compactuam com isso, trazem resultados assustadores que levam a população aos extremos. O número de pessoas anoréxicas no mundo só aumenta, bem como a taxa de obesidade.

Quando perguntamos a alguma mulher qual o seu peso e ela não responde, temos de imediato a impressão de que a razão pela qual ela não quer revelar o número que ela vê na balança é porque se considera acima de seu peso ideal. Nos desfiles de moda o mesmo acontece, as modelos não revelam o quanto pesam a ninguém, e se sentem até mesmo ofendidas ao receber o questionamento, porém não pelo mesmo motivo, normalmente elas não revelam seu peso pois estão muito abaixo do que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda.

De duas uma: ou nos conformamos que a ditadura do corpo esquelético irá continuar, ou sérias atitudes contra a padronização do ”perfeito” devem ser tomadas.